Você tem medo da arte na contemporaneidade?

16/05/2023

Olá internéticos 2ooe0nze. Hoje me rendi ao desafio proposto pela RMS. Como ela ou ele pediu pra não ter seu nome citado, mas não digitou nada impedindo o citar da ocasião... Vamos que vamos. E assim sendo, responderei esta pergunta: Você tem medo das modalidades artísticas existentes na contemporaneidade? Foi mais ou menos isso sua pergunta né RMS? Por favor feedback do conteúdo em...

Já de prima... Não. Não tenho. E por outro lado, amo a ideia de esqueçer aquelas chatas disputas por espaços para tentar chegar perto da pequena tela da Mona Lisa no Museu do Louvre. Por exemplo. Ainda não fui à Paris. Mas se a vida me proporcionar essa honra. Vou seguir o fluxo. Que agora é vivenciar obras de artistas mergulhando nas obras e nos artistas.

E quem sabe... Até me abraço com a Mona Lisa. Pois até ela já teve seu espaço, por exemplo, na exposição imersiva de Leonardo di Ser Piero Da Vinci realizada em territórios lusos tupiniquins. Ou seja, em São Paulo. Para quem não lembra, em 2021, ela estave ao lado de projeções, trilhas sonoras e até réplicas de invenções inspiradas nos projetos do mestre renascentista.

E para alegrias na contemporaneidade... Ondas das monas continuam. Com versões "viva a arte" de Michelangelo à Banksy, passando por Frida Kahlo, Van Gogh, Candido Portinari, Claude Monet e Picasso. E para alegrias mundiais; não é só no Brasil o fervor por essas modalidades de exposições. Assim sendo, milhares de pessoas experimentam trabalhos artísticos de personalidades diversas, desiguais e discrepantes.

Sendo assim, apertando players em todas potencialidades dos entretenimentos na contemporaneidade. Não... Não basta mais ver... é preciso sentir. Logo; tocados por projetores de alto alcance e telas interativas, se vivem experiências imersivas, marcantes...

Enfim... Na contemporaneidade, ou se preferir nas contemporaneidades... Exposições imersivas atuam imagens à semelhanças dos lendários gibis... Que também são artes válidas. Todas artes são válidas. E numa perspectiva 2ooe0nze: arte feia é arte não feita. Viva conceitos de artes. Sim... Até mesmo os instagramáveis.

Se não admira essas perspectivas nas contemporaneidades... Ou interpreta como não arte... Tranquilo. Somos animais capazes de concordar em discordar. E é só não ir. E não se preocupe. O leque das monas são infindáveis... Há produtos válidos nas indústrias culturais assim como mercadorias em hipermercados. É só escolher o que mais agrada o seu 'paladar' artístico.