Uns zen-tech sem tech e nada zen?

28/08/2023

Seguem fluxos internetianas e nerudas 2ooe0nze... Pois apesar de fundos dos mares serem riquíssimos em vidas. E dessa forma cheios de lugares ainda inexplorados... Instrumentos, maquinários e bugigangas demasiadamente humanas... Acredito que nunca serão tecnologias suficientes para se aprofundarem em duplipensões humanas em todos mistérios contidos nos oceanos. Estarão neles todos seres doadores de combustíveis fósseis dinossaurescos? Acredito que sim. Pois por lá habitam uns zen-tech sem tech e nada zen.

Pois geralmente são regiões hostis e de difíceis acessos. Quando não impossíveis. Além das pouquíssimas visibilidades. Mas mesmo assim... Por motivações por mais sugestionáveis individualidades fenomênicas... Pesquisadores descobriram recentemente uns vermes gigantescos que viviam em vulcões subaquáticos. Mas em suma; não pararam por aí... Outras diversas, desiguais e discrepantes equipes também descobrem ecossistemas complexos e singulares nas fontes hidrotermais nos fundos dos mares corriqueiramente.

Por outro lado gêmeo das mesmas histórias genetônicas mitológicas demasiadamente humanas devaneadas em cientificidades... Submundos repletos de criaturas nunca antes vistas embaixo de vulcões... Dão vidas aos imaginários coletivos e individuais. E inspiram adaptabilidades memorabílicas em arbitrariedades powers em fantasias caprichosas gênicas hollywoodianas. Que em temperaturas zen-tech de até trezentos e sessenta e oito graus celsius...

Se powerficam em cadeias alimentares prósperas cheias de bactérias quimiossintéticas, gastrópodes... Caranguejos e vermes sustentados pelos ricos nutrientes que jorram das fontes vulcânicas deflagrando mais variabilidades in devires. Imagens às semelhanças de vermes tubulares capazes de alterarem entre superfícies dos fundos dos mares e fontes termais. Enfim...

Dependendo dos diferentes estágios de desenvolvimentos, tais vermes nada zen-tech... Ao que tudo indica são larvas que pegam carona dentro de fluidos vulcânicos submarinos para alcançarem habitats diversos, desiguais e discrepantes. Sejamos assim em nossas eugenias bosquejadas. Ou seja... Em fluídos fruindo continuamente por mais de-eus mesmos em nós mesmos em habitats interpretativos diversos, desiguais e discrepantes. Panta rhei babys.