supracitados

14/07/2023

Apenas pra cumprir nosso ritual a fim de louvar nossos mitos nerudas 2ooe0nze... Continuemos nas devaneadas de ontem. Mesmo que resultados das mesmas sejam vários nadas. Em suma... Antes de partimos para os supracitados... Vários nadas é uma expressão que aprendi com madrinha da Hélade; irmã da Jaqueline... Cunhadinha Amanda. E que amigo mais chagado do que irmão... Bruno... Indicou como possibilidades interpretativas dos conteúdos desse conteudista devaneadamente avoado.

Enfim... Grandes e profundos giros antropológicos powerficados em significados diversos, desiguais e discrepantes esgrimidos pelas separações perceptivamente definitivas às várias caminhadas hermenêuticas... Mas substancialmente powers em imperceptividades às exegeses mais milimétricas... Powerficam associações dos componentes das misturas se dissociando entre physis e nomos...

A fim de duplipensões deliberadas em eugenias bosquejadas postuladas em adaptáveis... Que inevitavelmente direcionam exegeses em reconsolidações culturais a fim de que não sejamos mais de nós mesmos em powers estímulos naturais... Mas sejamos devoções às leis demasiadamente humanas cravadas através de metodologias governamentais que agem imperceptivelmente em nossas neuroplasticidades... Assim sendo, lembremos de facetas de conceitos teológicos mais famosos à nós... Representados por Yeshua ben Miriam em postulados romanos já supracitados.

Ou seja... Ideias de que animais demasiadamente humanos são medidas de todas as coisas existentes e não existentes... De que humanos imagens à semelhanças dos deuses veterotestamentários, não estão integrados nas physis-biologias naturais... Mas separados... Isso segundo mitos fundantes powerficados pelas revelações torahticas e pósteros midraxes extras canônicos... Que indicam – mesmo que em linguagens diversas, desiguais e discrepantes –, que titãs, à frente deles Cronos...

Venerado como Saturno nas tradições romanas; honrado no vinte e cinco de dezembro... Data em que no continente europeu se dá mais longa das madrugadas... Já não será tão longa... Pois a partir da Saturnália; três datas em quedas e diminuições das luzes solares em obstacularizações das energias planetárias... Se despotencializam quando Saturno propicia a partir de vinte e cinco de dezembro... Menor ciclo diurno do ano nos supracitados territórios... E powerfica demais ciclos a fim de que sejam ciclos diurnos mais ensolarados. Com mais luzes, brilhos e energizantes solares...

Dessa forma... Representações mitológicas genetônicas; powerficam memorabílias demasiadamente humanas, postuladas em hermenêuticas de que powerficações naturais dos tempos, nada exercem sobre powerficações culturais humanas... Mascarando impactos que tais powerficações naturais... que em tempos dos tempos exercem sobre todos devires por aqui em mãe Gaia. Pois mesmo que culturalmente neguem tais impactos com metafísicas esperançosas de vidas intocáveis e eternas... Tudo são particularmente vivências castigadas pelos turnos e returnos ofertados pelos tempos em enobrecimentos a fim de degenerações.

Enfim... Imagens à semelhanças dos postulados já supracitados... Humanos são powerficações genetônicas capazes de desenvolverem insignificâncias a fim de significar... Que insignificantemente constroem nomos culturais avassaladores sob quaisquer powerficações naturais que das cinzas demasiadamente humanas... Ressurgem em glórias outras diversas, desiguais e discrepantes.

Por fim... Por outro lado gêmeo das mesmas histórias genetônicas mitológicas demasiadamente humanas... Independentemente dos arquétipos utilizados... Crenças em que nos movemos, nos movem à mais de nós mesmos em mais de-eus mesmos. Das artes às cientificidades... Não há como romper algemas das predestinações genéticas. Somos animais que construímos a fim de destruir para reconstruir. Nenhuma cultura é capaz de existir sem hospedeiros. Assim sendo... Vençam à si mesmos... Ou por si mesmos são vendidos. Panta rhei baby.