Não posso, não quero, só devo

29/11/2023

Naquilo que não lhes pertencem... Umas mais; umas menos... Enfim... Tudo vão; voltam e passam por vontades de afirmações que nem perdem nem vencem!? Não posso, não quero, só devo... Continuar duvidando ausências nos relevos. Tipo aquelas pazes. Dessa paz que me incutes mas não está em ti capazes. Em suma... Tipo dores que alivias mas não és curas. Mas até lembram frescuras. Amarguras. Ditaduras. Vai que configuras... Sei que nas essências que devolvem vidas... Em corpos se habituam altivas. Não porque és demais os que supus... Mas porque dispusestes e abracei em pescoços em nós deitados de capuz.