nacela que se balança

11/06/2023

Assim sendo... Ao mergulhar nos aeróstatos que Hélade Renzo lhes potencializam... Claudio Amaro e Jaqueline dançam nacela que se balança. Logo, naqueles instantes que só se conseguem observar pasmos todos plasmas que enobrecem por degenerações... Se arrepiam ao ouvir abraços em suas peles endurecidas, que se metamorfoseiam aos braços dos abraços de ambos na magia Hélade Renzo.

Sendo assim, em sem fim dissociações dos componentes das misturas se misturando a fim de potencializar combustíveis powers em combustões que implodem... E explodem imperceptivelmente outras diversas, desiguais e discrepantes perceptividades que se dissociam... No sem fim retorno das vontades de afirmações geneticamente predestinadas à vidas... Se lembram que:

'É mais válido para predestinações deles... Tentar e falhar; do que preocupar-se e ver sem nada tentar toda vida passar. Que é mais válido tentar... Ainda que em vão, que sentar-se fazendo nada até o final. Isso pra eles. Pra quem vive em modalidades diversas, desiguais e discrepantes... Eles já são capazes de concordar em discordar. E nessa nacela se divertem.'. Enfim...

No pulsar do furacão então se arrepiam ao serem abraçados pelos braços dos devires que lhes ensinam parafraseando em redundâncias pedagógicas que: "Tem quem prefira nas chuvas caminhar... Que em tempos geladamente frios... Em casa se proteger. Ou até mesmo se esconder. Preferem nomenclaturas de: pena que são loucos... Do que em conformidades viverem. Mas... Por outro lado... Respeitam tudo e todos. Concordam em discordar.