Ela falou que sou inepta

09/07/2023

Mas o que ela falou depois que chamou você de inepta? Não, não toque aí. Minhas subjetividades são imagens à semelhanças de panos leves. Rasgam-se diante das meias powerficações de mais de-eus mesmos. E depois? Enfim... Quando disse que podia entrar; falava de poder ouvir tapete pisado, chão da sala marcado contra luzes dos holofotes. E você trazendo desenhos dos tempos que sonhávamos com guitarras, arranhávamos resenhas e gostávamos de gentes doidas por vieses artísticos diversos, desiguais e discrepantes. Pensei que vinha só você, vestida de projetos, escorregando ideias pelos cabelos chuvados, que diríamos bobagens risonhas e molhar-me-ia por mais de você. Inventaríamos peças; passeios nos parques, aqueles móveis que abrem danados por patos assados... Inundando ainda que divergindo; transformando, marinando ou preferindo. Multiplicando, mas, por vezes dividindo. Não pensei, quando disse que podia entrar... Ops... Que devaneadas pesadas de entender em... Pois é...