As vontades de afirmações

04/05/2023

Olá internéticos 2ooe0nze. As infindáveis vontades de afirmações; triunfam... Pelo menos por aqui; imagens à semelhanças de artistas, totalmente irresponsáveis com todos os padrões estéticos acadêmicos. E em suma...

Desenvolvem suas artes, totalmente predestinados em suas sem fim modalidades subjetivas. Que assim sendo, são concebidas como opostas à decadências criativas, e enraizadas nas antinomias entre vontades de afirmações, abertas para o aqui e agora, e os sem fins retomarem à si mesmas.

Óbvio que primeiramente, todas repulsas de si mesmos, são medos intoleráveis que desaparecem por ocasiões de suas potencialidades. Sendo assim; seguem sem permitir que desgostos os sufoquem. Pois ser interpretações de que tudo muda, abrangem os diversos, desiguais e discrepantes.

E imagens à semelhanças de alegres convivas de um banquete que desejam suas taças novamente cheias, sem fim louvam à vida com o desejo de serem agraciados com o presente novamente... Enfim... Uma vez mais.

Dessa forma, as vontades de afirmações dos devires e dos múltiplos, mesmo nas dilacerações dos seus membros, dispersos por aí, ensejam também por aí, em lugar dos desesperos de uma vida para a qual tudo se tornou vão. As plenitudes das existências ritmadas pelas fugazes alternâncias dos sem fins quebrar para reconstruir.

E nessas sem fins transmutações dos viventes; tudo flui e frui para além da insuportável leveza do ser. Que se fixa suportável. Pois sem se preocupar com o de onde vim... para onde vou... A vida segue seus próprios passos sem fim power em alternâncias. Enfim...

Quebram o enigma vontades de afirmações 2ooe0nze: em busca do que foi... perdendo o que é... em relação ao que talvez será. E em suma, passeando pelo jardim ou pelo deserto; sem bagagens desnecessárias, cravam todos seus devires nas confianças de que se o amanhã chegar... amanhã; o hoje... ontem será.